18.9.12

A piñata fomos nós que fizémos


Que a vida dos outros não nos comove. Que o que vivi no sábado não vai ter o mesmo impacto para quem vai ler. Que a minha felicidade daquele dia não vai mover o mundo. Nem mesmo temporariamente. Isso já sabemos todos.
Uma festa de uma criança. Apenas e só isso. E no entanto.
...
Eles eram sete. Nós, três. Mas com muito mais experiência, estratégia e tamanho, atenção! Parecia à partida um ajuste de contas equilibrado. Não tínhamos contado com o poder de influência dos electrões livres que nos corredores da escola nos dizem obrigado, bom dia e por favor. Olhos a piscar, sorriso de anjo.
Uma criança de 4 anos pode ter muita coisa escondida dentro de si. Barulho, por exemplo. Doses indecentes de ruído guardadas dentro dela.
Eram 7.
Três dias depois ainda sinto um leve zumbido estranho nos ouvidos.
...
Acabei de enviar algumas fotografias aos pais. Tudo parece tão apaziguador em imagem. Acredito ter passado uma impressão de controlo perfeito da situação. As mentiras que somos capazes de produzir.
...
Uma verdadeira amizade pode começar muito mais cedo do que pensa. Aos quatro anos, dão-se abraços sentidos, protege-se os amigos, formula-se planos. Aos quatro anos quase tudo é possível. Digo "quase" ao calhas.
...
Uma das pessoas que nos vieram ajudar jurou nunca vir a ter filhos. Ficou vacinada. E é pena. Não era essa a nossa intenção.

8 comentários:

  1. a sério que fizeram vocês a piñata? é maravilhosa! E conseguiram que eles fizessem uma fila indiana e tudo, que profissionais!!

    ResponderEliminar
  2. Confesso que fiquei orgulhosa, estive a um pequeno passo de encher este blogue das nossas façanhas decorativas, mas retive-me, um pouco de modéstia não me pode fazer mal.
    A fila indiana durou pouco, esta foto foi antes de começarem as hostilidades, assim que começaram a bater no pobre monstro começaram os gritos, a dispersão, a loucura ! ;)

    ResponderEliminar
  3. Mais fotos, por favor! Pode ser só da decoração, escusas de mostrar os terroristas.
    Agora, em termos de barulho, ganho-te aos pontos. Por causa daquela vez em que o Matthias não sabia de havia de fazer uma festa de índios ou piratas, e fez dos dois. Dois grupos opostos, não sei se estás a ver. Tudo rapazes.
    Ainda por cima, escrevi no convite que era das 3 às 7 da tarde. Lá pelas 5 o Joachim perguntava-me: "tu não sabes fazer contas?! das 3 às 7 são 4 horas!!!!"
    Devem ter sido as quatro horas mais longas da nossa vida... :-)

    ResponderEliminar
  4. :D
    O tema desta festa era os monstros, nunca nenhum tema foi tão bem escolhido. Os gritos monstruosos ! Os gritos monstruosos ! Durou 3 horas e na meia hora final perdemos o controlo. Os pais quando chegaram davam-nos estatísticas sobre a partir de onde já se ouvia o barulho no bairro.

    ResponderEliminar
  5. Espectacular a pinhata! Podes começar a comercializar ;) Parabéns!

    ResponderEliminar
  6. Obrigada pelo elogio. Vade retro a ideia de negócio, o trabalhão que me deu só mesmo com amor é que se paga.

    ResponderEliminar
  7. da próxima vez, já sabes: vai ser a festa des monstres afoniques. Quem soltar um pio que seja, perde.

    ResponderEliminar

Pessoas

Nomadas e sedentarios