17.11.11

Haverá lá coisa mais ridícula

do que escrever num blogue que já acabou ?

9 comentários:

  1. umas quantas...
    a malta está em banho maria... ou em choque se preferires.

    ResponderEliminar
  2. Lembro-me de uma catrefada de coisas bem piores...

    ResponderEliminar
  3. Oh, vamos fazer uma lista rapidinha, vá lá. Eu começo :

    - Gozar com os universitários da "reportagem" da Sábado, quando quem anda a ser gozado somos nós que andamos a perder tempo com este tipo de jornalismo

    - Mudar de governo, porque anda a ter muitas medidas injustas e arbitrárias e colocar lá um que toda a gente sabia que ia ser pior

    - Andar toda a vida a dizer mal dos ginásios e considerar seriamente a hipótese de ir a uma aula para a semana, estando convencida que se vai divertir como há muito tempo não se diverte. Para já, a parte de pagar os ténis não me deu muita vontade de rir.

    ResponderEliminar
  4. a história dos governos
    adivinham-se uma série de maus caminhos já aí ao virar da esquina; o que todos temos de ver é que raio de politica gostamos afinal de contas: se mais à esquerda se mais à direita. que isto aqui me está a cheirar ao tempo da avózinha, isso está. só estudará quem pode e até o trabalho será só para alguns, como noutros tempos. saúde será um bem escasso e tudo aquilo que já tomavamos como certo, passará certamente a ser um luxo. o que é que o povo quer?

    ResponderEliminar
  5. O que é que o povo quer e quem lhe poderá dar. O que o povo precisa é claramente, pelo menos em termos teóricos, o que a esquerda lhe pode dar. O problema é que com o jornalismo e a falta de consciência política e histórica que temos, os discursos demogógicos ainda são muito cotados, isso e a falta de união da esquerda e de chefe carismático e estratégico.
    Para mudar qualquer coisa, não se pode apenas fazer a cruzinha e comentar no facebook, tem que se criar movimentos, participar mais activamente na politica. Os indignados já começaram (mas com pouca adesão), mas outros movimentos têm que começar a mexer-se.
    Tentei no Verão tornar-me militante num partido, mas foi-me impossivel escolher, havia sempre algo com o qual discordava profundamente, agora num movimento deverá ser mais fácil identificar-me com um objectivo, mesmo se for apenas uma parte do programa que gostava de ver mudado.

    ResponderEliminar
  6. tens razão. é tempo de deixar este modo de quem vive com os subsídios da CEE, deixar de esperar e começar a agir. já deviamos estar crescidinhos e ir à vida, trabalhar!
    falta um lider de esquerda sim, de uma esquerda actual, possível, viável e que não esqueça o factor humano (como fez no passado).
    estamos tão pouco habituados a participar na vida pública, a dar... é mais facil exigir e receber.

    ResponderEliminar

Pessoas

Nomadas e sedentarios