20.5.11

A caravana vai passar, quem vai ladrar ?

Tudo acontece ao mesmo tempo, tudo, e é sempre assim. A morte, a revolução, a motivação, a desilusão, as garras, as desculpas, mas sempre, e por enquanto, felizmente, muito felizmente, a vida ainda anda por aí. Não pára, só porque queremos respirar, não desacelera quando nos apetece poisar. Vivo em Paris, já vivi em Lisboa, nasci em Maputo e quem sabe as minhas parcas noções de mandarim ainda me vão ser preciosas em 2012 e sempre a vida ali ao lado a acompanhar, a empurrar e a puxar. Nunca me consegui acalmar, nunca me apeteceu os ansiolíticos. Para quê tirar o pé do acelerador. Para quê fingir. Dois dias apenas. 2.
E às vezes existe stress, um stress brutal que não nos deixa ver, nem ouvir o que vamos sentir no dia a seguir, e às vezes não dormimos mais do que 2 horas à noite e às vezes não conseguimos que nos deixem fazer tudo à nossa maneira. Sai da frente ! Como é que se faz para se buzinar neste blogue ?
Tentei, juro que tentei o slow live, as delícias da minha cozinha, as maravilhas da costura, o prazer dos passarinhos e do mu-mu das vacas, compreendo perfeitamente quem mergulha lá dentro. Oh, se compreendo, quase que por ali enveredei. Oh, mas em criatura anti-minha-natura não me transformaria eu.
Eu quero correr, andar de bicicleta vite! vite! vite!, conhecer o mundo TODO, beijar (quase) (ups, travãozinho) todos os rostos, ler livros assim, escrever vidas tal e qual, ouvir músicas assado, dançar em festivais cozido, correr mais depressa que os meus filhos - eles fazem batota que são espertos - pedalar quase tão agilmente como o pai deles, que se realmente me amasse, fingia que estava cansado de vez em quando. As latas de leite condensado não perdoam. Mas eu perdoo-as, mesmo assim e sempre. Que sou magnânime.
Hoje fomos apresentar oficialmente o minúsculo à directora da escola pré-primária. Não faço ideia onde é que passaram este últimos anos.
Tenho muitos comboios a apanhar. Tantos, tantos, tantos.
E párem de dizer que este post está confuso. Já tentaram escrever aos saltinhos ?

8 comentários:

  1. Acho que o tempo correu-te mais pelas maos que tu dele... o teu vai prá pré, o meu prá primaria e eu olha agarro-me ao outro q ainda n fala e ainda me deixa estrafugá-lo sem levar uma galheta :)

    jocas

    (sim ás vezes é bue confuso os teus posts, ou és tu q és profunda demais rsrsrsrs mas adoro ler-te é o q te salva lol)

    ResponderEliminar
  2. Eu achei o post um espetáculo! Também ando a mergulhar no prazer dos passarinhos e afins, mas também acho que ando sempre! a ver o que dá... :)

    beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Tu vive, mulher! Vive! à velocidade que quiseres, onde quiseres e a falar a língua que quiseres :)

    ResponderEliminar
  4. Mãe (qb) - Enquanto me for safando ainda vai sendo como o outro.

    amora - às vezes até consigo, confesso, ouvir os passarinhos, aqui ao pé de casa cantam tanto e tão insistentemente, que uma convidada nossa, pensou que havia um telemovel a tocar (isto não estou a inventar, juro).

    MauFeitio - Sim, eu vou, eu vou. Fui !

    ResponderEliminar
  5. Tu és um espectáculo, moça! bjs

    ResponderEliminar
  6. até fico sem fôlego...mas está tudo muito bem desde que não precises do mandarim para o part-time na China. Fica na França que é mais perto de Lisboa, ok?

    ResponderEliminar
  7. Essa aceleração toda só nos faz apreciar melhor os momentos em que paramos para apreciar a natureza, homessa. Continua a acelelar, a curtir, há tanta coisa para fazer e tão pouco tempo.
    gralha

    ResponderEliminar
  8. Sophis - Quando li este comentario, pensei logo que devo me ter expressado muito mal algures no meio do post. A ver se descubro onde, não gosto de enganar ninguém, percebes ?

    calita - Olha, agora de repente parecias a minha mãe a falar.

    Anonima Gralha - Pois é, tanta coisa, tanta coisa. E depois tão bom, um monte alentejano, no meio de nada, 3 dias, no meio do Verão.

    ResponderEliminar

Pessoas

Nomadas e sedentarios