11.2.11

Avoir du recul*

Quando era adolescente era porque nunca mais podia viajar sozinha, à vontade, fazer o que queria, nunca mais filmava a porcaria da curta metragem que nunca foi tão curta. Nunca mais era dia.
Adulta, nunca mais tinha dinheiro/coragem suficiente para largar tudo e dar a volta ao mundo (entaladíssima na garganta,entaladíssima).
Em Paris, nunca mais me sentia realmente parisiense, seja lá o que isso for, nunca mais falava sem sotaque (oh, mas é tão charmoso!), nunca mais tinha amigas à séria (mas eram queridas, que sim, que até eram), nunca mais, nunca mais, nunca mais
Grávida, nunca mais se notava a barriga, a barriga agora está muito grande, não consigo dormir bem, e que nunca mais nasce.
Nascidos, recém nascidos, nunca mais param as cólicas, nunca mais sossegam, nunca mais dormem a noite toda (ups), e nunca mais e nunca mais.
Agora, nunca mais, nunca mais dormem à noite (e sim, e sim), nunca mais paro de ser apenas mãe e faço-me à vida, assim de repente, via-me a trabalhar feliz da vida em perfeito malabarismo com a palavra "mãe"...
* Alguém me pode fazer uma boa proposição de tradução para isto, por favor, que estou com tanta vergonha de ser emigrante neste momento... Relativizar ?

E patati, e patata.

8 comentários:

  1. como concordo.... somos todos um bocado assim-sempre a sonhar com o amanhã e nem nos apercebemos do agora -mas tenho-me esforçado por valorizar cada momento vivido e aproveitá-lo-menos a parte de viajar que quero tantooo e vejo cada vez mais dificil com 3-vou ali amuar e já volto

    ResponderEliminar
  2. Nunca (ou quase) estamos satisfeitos..
    Há sempre qualquer coisita que npodia ser diferente!

    ResponderEliminar
  3. Arrisco apostar que pelo menos 72,6 porcento dos teus leitores podiam ter escrito este post... Sera' que e' esta impaciência que nos faz capotar? Agora já comecei a fantasiar com a reforma, quando farei só o que me apetecer...

    ResponderEliminar
  4. A gralha antecipou-se, eu ia dizer algo parecido. Acho que o ser humano é um eterno insatisfeito.
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Por acaso com o tempo foi passando, faço por me lembrar e aproveitar melhor o momento. E reparo em muita coisa que antes não reparava com a mania do tomara já isto, tomara já aquilo. Ainda assim tem dias em que lá me salta um tomara já qualquer coisa.. É tudo normal :)

    ResponderEliminar
  6. E o segredo para ser menos "tomara já isto", alguém conhece? É que para mim isto é uma verdadeira agonia: dou por mim a pensar (a torturar-me) com problemas que só hão-de surgir daqui a uns valentes anos, se é que realmente surgirão. E depois esbofeteio-me mentalmente: rapariga, pára com isto, já tens tanto com o que te ocupar, para que é que está a pensar naquilo que nem sabes se pode acontecer? Curiosamente, tive um interregno nesta minha maneira de ser quando o miúdo era mais pequeno e eu estava em privação de sono. Andava tão cansada e com o cérebro tão moído que só conseguia pensar no dia em que estava a viver (basicamente só pensava no momento em que ia poder deitar-me na cama e rezar para conseguir dormir algumas horas seguidas). Agora que as coisas estão a voltar ao normal, voltei a esta anormalidade...

    ResponderEliminar

Pessoas

Nomadas e sedentarios