14.12.10

La roue de Paris

Porque às vezes uma mãe capotada precisa de ganhar em altitude para perceber onde é que está a ir.
Não vou falar da musiquinha francesa-fácil-sintetizadora que temos que suportar durante quase toda a viagem para não perder a embalagem poética deste post. Espero que compreendam esta omissão.
PS - E não, não fui eu que cheguei ali de limousine branca.

6 comentários:

  1. Olá.
    O que vou escrever não tem nada a ver com o post, mas é só para dizer que descobri o blog há dias e li todo e adorei e ri e sorri, como se fosse um livro. :-)

    ResponderEliminar
  2. Viste ? E ainda por cima é gratuito e ja descobriste que estiveste ha pouco a falar comigo num blog sobre clafoutis ? A blogosfera é mesmo pequenina...
    Volta sempre Jo Ann ! Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Pois é, vi!
    Mas eu seguia o Conta-me... *antes* de descobrir este! Haha.

    ResponderEliminar
  4. Olha, acho que vou seguir as tuas pisadas: procurar andar nas alturas quando me sentir a capotar...
    ;)
    (as fotos fazem-se sentir saudades de Paris ;)

    ResponderEliminar
  5. Não digas a ninguém, mas andar nas nuvens não me serviu de nuito, foi fun, e é tudo...
    (Paris serve de muito, ao contrario)

    ResponderEliminar

Pessoas

Nomadas e sedentarios